30 de novembro de 2011

Doce Obsessão

Implante Coclear Treino Auditivo
Por Diéfani Favareto Piovezan

Bom, muita gente tem notado que de uns tempos pra cá eu tenho postado vídeos, fotos e estado meio obcecada por um grupo musical de Coreanas. “Ah não, mas até aqui no blog você vai falar delas?” sim, vou, porque quero explicar o motivo da minha obsessão.

Desde que fiz o implante e melhorei a minha audição, eu ouvia as mesmas musicas, bandas e tudo mais de sempre. Foi quando descobri Girl’s Generation, dia 18 de Outubro pra ser mais exata. Foi uma amiga que me mandou. De primeira pensei “menina bonitas que parecem todas iguais”, continuei assistindo, e conforme e música começou e foi passando, tive mais um momento “é isso”, percebi que as vozes delas são bem claras, e que o idioma coreano é bem carregado de fonemas que eu tenho dificuldade em ouvir, então pensei “serão minhas terapeutas.”

Continue Lendo

23 de novembro de 2011

1 Ano!!!!

Outros
Por Diéfani Favareto Piovezan

Pois é “galere”, hoje completo um ano de ativada. Um ano de muitos sons, muitas emoções (boas e ruins rs), mas o principal, um ano de muito sucesso.

Eu tive uma sorte danada, porque sei que nem todo implantado tem os resultados que eu tive, nem se adaptam tão rápido e param a fonoterapia com menos de um ano.

Claro que isso teve muito a ver com minha força de vontade, porque eu treino muito a audição em casa com vídeos no youtube e músicas e com a minhateimosia, porque acabo de sair do mapeamento e já coloco no 4º programa e aumento o volume o máximo que puder, demora uns dias pra acostumar com a barulheira, mas depois de uns 2 meses parece até que está baixo.

Agradeço todos os dias por ter tido a oportunidade de receber esse implante, e agradeço sempre a competência do pessoal do HC.

O segundo implante, vai sair SIM (porque já falei tanto disso que todo mundo deve estar curioso), mas estou com outras prioridades no momento, então estou esperando sobrar um tempinho livre pra resolver isso. Mas acredito que até o fim do ano que vem dê certo.

Bom, agora aproveitando o post….não se esqueçam que sábado dia 26, é o encontro de fim de Ano do FIC em São Paulo, quem já pagou, está com o nome na lista e vaga garantida. Quem chegar na hora, sem nome na lista nem nada, SE tiver espaço, paga 40 reais na porta.

Não se esqueçam que será no Espaço Zumba, no endereço Av. 11 de Junho, 1290, Vila Mariana / Moema., das 12 às 17 horas. Apenas cerveja terá que ser pago a parte.

Espero ver todo mundo por lá.

Beijos a todos 🙂

Ps: Pessoal, meu template está meio zuado, o programador está tendo problemas com a internet dele então ainda não arrumou, mas assim que der ele vai arrumar aqui, por causa desse problema outros clientes dele ficaram meio na mão também, então talvez demore. Mas é só ter paciência rs.

9 de novembro de 2011

Som e Fúria

Acessibilidade Filmes Implante Coclear Oralização Variadas
Por Diéfani Favareto Piovezan

Pessoal em 2000 foi lançado um documentário (filmado em 1999), chamado Som e Fúria, que relatava parte da vida da família Artinian. O casal Peter e Nita Artinian são surdos e todos seus filhos também são surds. A mais velha, Heather Artinian, diz que gostaria de fazer implante coclear. No vídeo ela diz que gostaria dele porque gostaria de ouvir um acidente de carro, televisão, pessoas falando, alarmes, buzinas entre outros.

A família após muito pesquisar, e conhecer algumas famílias com crianças implantadas, optam por não implatarem a sua filha. O que aconteceu, foi que os pais de Heather, conheceram uma família de ouvintes com filha surda, a menina, ainda muito pequena, tinha implante coclear e não sabia língua de sinais. Nem ao menos sabia o que era língua de sinais, e Nita, mãe de Heather, se sentiu ultrajada por isso, dando inicio a uma briga homérica na família por causa disso. Pois os avós de Heather eram a favor do implante. Continue Lendo

6 de novembro de 2011

Respeito a Liberdade de Escolha – By Lak Lobato

Acessibilidade Implante Coclear Língua Portuguesa Oralização Variadas
Por Diéfani Favareto Piovezan

O texto a seguir foi originalmente postado no Desculpe Não Ouvi (clica ai no l ink pra ser redirecionado). É um assunto que vem sendo discutido há dias em um grupo do facebook. Que eu particularmente cansei de postar, só fico lá lendo. Segue o texto.

Aqui, querendo debater…

Pessoalmente, eu não tenho nada contra o povo surdo se vender como cultura, porque existe cultura skatista, cultura emo, cultura geek (não sei se no sentido antropológico do termo, mas no sentido popular do emprego ao termo CULTURA), mas enfim… E, alias, se também quiserem se comparar aos índios, negros, aborígenes ou qualquer outro povo do universo,  tranquilo.

Levando em conta que o Brasil tem 270 línguas (li alguém alegar isso, mas não confirmo, porque não estou nem um pouco afim de vagar em busca de evidências sobre o tema), embora só tenha UM idioma oficial, o português (inclusive é um dos pontos fortes do Brasil, visto sobre o ponto de vista empresarial) que faz as empresas multinacionais se animarem de vir pra cá, uma vez que apenas um idioma terá que ser ensinado aos funcionários e apenas um idioma é escrito na maioria dos produtos (salvo aqueles que seguem a regra do Mercosul e incluem o espanhol). Se os nativos das outras 269 linguas não tem direito a privilegiá-la ao português, pode até ser visto como algo meio desrespeitoso os surdos terem, mas ainda assim, tô nem ai. De repente, não batalharam pra ter a emancipação do seu idioma e, quem sabe futuramente, sigam o exemplo da Cultura Surda e o Brasil se torne como a Índia, com 2 idiomas oficiais administrativos, 23 idiomas  federais oficiais, 200 Línguas reconhecidas e mais de 2000 dialetos e o povo se comunique mesmo em hindi e num inglês macarrônico que serviu para dominarem o mercado de telemarketing dos EUA (sem ofensas, porque acho isso sensacional!). Continue Lendo

1 2