11
Publicado por Diéfani Favareto Piovezan | 0 comentários

 

Bom hoje eu vou falar de algo que gera brigas por ai, que é o isolamento de certos grupos de pessoas. Nesse caso irei me abster ao isolamento de surdos usuários de LIBRAS. Muitos surdos sinalizados se isolam criando o que eles mesmos chamam de “Cultura Surda”. Esses grupos são considerados radicais e não aceitam em seu meio surdos oralizados, implantados ou com aparelhos auditivos e é claro que muito menos ouvintes.

Esses grupos, chegam a fazer exigências mil ao governo, algumas extremamente esdrúxulas que chegam a me irritar. Querem que LIBRAS seja obrigatória para todos os surdos em fase de alfabetização – isso tiraria o direito de escolha dos pais e da criança – querem concursos publico e vestibulares 100% em LIBRAS e – pasme – chegaram a pedir pra que para surdos a LIBRAS substituisse até mesmo a forma escrita da Lingua Portuguesa. Esse pedido foi negado, pois o idioma oficia, do país é esse, mas agora me respondam, isso é, ou não  coisa de gente preguiçosa e xiita? Poxa, se você nasceu, cresceu e vive em um país, porque diabos você não vai aprender e ser fluente na forma escrita do idioma oficial? LIBRAS pode ter sido elevada ao patamar de Língua e perdido o status de linguagem, mas ainda assim, precisa de um idioma base pra sua  comunicação, e isso serve pra Lingua de Sinais de qualquer país.

Se você usa unica e exclusivamente LIBRAS, só poderá se comunicar com quem o sabe e isso te isola, te limita, te atrapalha. Eu respeito a liberdade de escolha dos pais e das crianças. Porque honestamente? Todo surdo de um jeito ou de outro tem que se relacionar com ouvintes e para crianças é complicado. Ser diferente é sempre um problema. A criança gordinha é zoada, a magricela tambem, a de óculos tem apelido de “4 olhos”, a menina que sobe em arvore é chamada de “macheira” e o menino que brinca de casinha é “boiola”, essas crianças crescem traumatizadas e se sentindo peixes fora d’água, porque outras crianças conseguem ser bem crueis quando querem.

E a criança surda? Ela também corre o risco de ser zoada, seja na escola inclusiva, por vizinhos, por outras crianças em qualquer local publico como um banco ou loja quando estiver com os pais. Se ela usa Língua de Sinais, com certeza vai ser alvo de olhares e comentários extras, se usar aparelhos, provavelmente também o será, mas cabe à familia e à criança, escolherem o que é mais confortavel.

Meus pais nunca me impuseram nem em qual escola eu deveria ir, me colocaram em uma particular, não gostei, deu o fim do ano fui pra outra, mudei mais de escola do que filhos de ciganos, mas nunca me impuseram ficar em um lugar onde eu não me sentia confortavel e respeitada (e digo isso porque sempre fui molecona e me zoavam por isso)

Bom, quando perguntados o motivo para a segregação em guetos, os integrantes desses grupos afirmam se isolarem porque preferem conviver com aqueles que como eles se aceitam e não tentam fugir do que são ou fingir algo que não são. Fico com uma dúvida constante dentro da minha cabeça que é “Se essas pessoas lutam tanto  por seus direitos para serem vistos como iguais e conhecem como  ninguém o preconceito porque fazem isso?”.

Do ponto de vista psicológico esses grupos se isolam não porque se aceitam, mas bem pelo contrário. Eles se isolam em comunidades criando uma “Cultura Surda” onde as pessoas têm os mesmos medos e não ficarão questionando os seus medos e escolhas. Todos defendem ferrenhamente que aquilo é bom e verdade absoluta pra todos os surdos do planeta. Chegam a fazer afirmações absurdas como “estão querendo impor implante coclear às criançs e acabar com LIBRAS” ou “surdos oralizados são suicidas em potencial.”

Certa vez comentei sobre esse assunto com pessoas formadas em psicologia e elas me disseram a mesma coisa “Pessoas que se isolam do mundo lá fora não se aceitam como são e usam isso como mecanismo de defesa, porque se conviverem com seus semelhantes darão a impressão de que realmente aceitam quem são e assim se veem livres da pressão e questionamento do mundo afora”.

Quanto aos surdos sinalizados não posso dizer por mim, mas na época um dos bacharéis em psicologia com quem conversei me mostrou uma revista sobre estudos psicológicos e tinha uma artigo que falava exatamente sobre esse assunto. O artigo dizia que havia sido feito um estudo com surdos sinalizados em várias escolas especiais nos Estados Unidos. Com o passar do tempo e conforme os alunos iam ganhando confiança nos terapeutas a maioria deles disseram que eles teem muita vontade de se oralizarem, aprenderem leitura labial, implantarem ou usarem aparelhos auditivos mas, que não o fazem porque sabem que isso não vai torna-los ouvintes ou menos surdos, e que eles tem medo de se tornarem aberrações entre os amigos sinalizados e aberrações no mundo dos ouvintes, passando a serem odiados por ambos.

Existe um mundo lá fora independente do isolamento ou não, e que cedo ou tarde eles terão que viver nesse mundo e precisarão aprender a lidar com os problemas que vierem. Muitas pessoas os questionarão mas, muitos os apoiarão. Surdos sinalizados devem entender que ouvintes, implantados ou oralizados não são diferente deles e os tem como semelhantes não como pessoas diferentes por usarem sinais. O unico problema e algo que se torna irritante é o levantamento da bandeira do orgulho surdo e tentativa de segregação em massa e IMPOSTA, quando brigamos, não é porque somos contra LIBRAS, somos a favor, 100% a favor, só que ela deve ser escolhida e não imposta e o mesmo vale pra oralização e implante coclear, devem ser escolhidos. Não sou contra nenhum método de comunicação, sou contra a segregação.

 

Beijos a todos 🙂

 

06
Publicado por Diéfani Favareto Piovezan | 0 comentários

Eu fui privada de ouvir por anos, não muitos, mas foram o suficiente pra me fazer perceber o quão valioso o sentido da audição é. Só aqueles que foram privados do privilégio de ouvir podem saber o que digo. Há 1 ano e 7 meses, tive meu implante ativado. A emoção foi grande, e as descobertas não param nunca.

Ontem, dia 05/06/2012 eu estava assistindo Grey’s Anatomy foi espetacular poder ouvir os sons e dialogos do seriado, ainda mais sendo o ultimo episodio da temporada. Pude degustar cada sonzinho saído das caixas de som do computador. Preciso confessar que chorei muito, não que eu não chorasse antes, mas quando se tem a oportunidade de ouvir berros e choros de desespero em uma obra de ficção, a emoção é quintuplicada.

As surpresas não se restringem somente à TV, cada dia que passa minha audição melhora, claro que tenho as minhas dificuldades, e agora com o novo mapeamento, estou apanhando pra processar coisas mais complexas, mas consigo falar no telefone, com direito a ouvir minha tia me chamando de folgada porque ainda não fui pra casa e “já é uma da manhã.”

Consigo ouvir barulhos que me soam até irritantes, mas que pelo simples prazer de ouvir, eu não desligo o implante, como por exemplo, o registro do chuveiro está quebrado, então por mais que feche, o chuveiro continua pingando. O som da água pingando é irritante, mas pelo simples prazer de ouvir, eu aturo o som.

Às vezes ainda durmo com ele ligado, por descuido ou por querer, minha vizinha tem um cachorro insuportavel que late demais, sabe há quanto tempo eu não conseguia ouvir o que se passava na rua? Tempo o suficiente pra adorar o cachorro chato latindo.

Mas nada se compara, ao prazer enorme de ouvir as vozes das pessoas que amo, algumas pessoas extremamente importantes na minha vida, só apareceram depois da surdez, eu não fazia ideia de como eram suas vozes, mas com o implante pude saber, e nada no mundo é tão valioso quanto isso.

Essas pequenas conquistas e descobertas, embora singelas e até bobas, representam muito pra mim. Representam a devolução de um sentido perdido, a devolução da minha audição. Antes do implante, a minha alma sedenta por sons, se sentia presa em um corpo surdo, agora não mais. Nunca, as palavras contidas em “Todo som é música” fizeram tanto sentido como agora.

Beijos a todos 🙂

 

Procura ai
Que dia é hoje?
June 2012
M T W T F S S
« Apr   Jul »
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930  
Contador de Visitas

Licença Creative Commons
O trabalho Igualmente Diferentes de Diéfani Favareto Piovezan foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição - NãoComercial - SemDerivados 3.0 Brasil.
Todos os direitos reservados - Design e Programação Igualmente Diferentes