12
Publicado por Diéfani Favareto Piovezan | 3 comentários

Como todos sabem, eu sou oralizada, usuária de IC e sei LIBRAS muito porcamente. Recentemente, conheci um aplicativo do iPhone (infelizmente só tem pra iPhone) que você escreve em Português e ele traduz para LIBRAS. Achei muito bacana, não só é uma forma de se comunicar com os usuários da Língua de Sinais Brasileira, como também uma forma de aprender. Há a opção de colocar o Hugo (personagem 3D criado para traduzir as frases) para sinalizar de maneira bem mais lenta e aprender as palavras. Eu baixei e achei muito legal, dou nota 10 pro app.
Falta agora algum grupo desenvolver um BOM aplicativo que transcreva fala para texto de maneira pelo menos 90% satisfatória. Eu pretendo criar algo para projeto de pesquisa e TCC, mas só dá pra fazer disso um app de verdade com um enorme banco de palavras, se eu tiver ajuda de alguma empresa, pois é um projeto muito extenso. Bom, segue um texto sobre o Hand Talk, que foi retirado do próprio site do aplicativo que é http://www.handtalk.me

Hand Talk

05-icone-hand-talk-300x300

Hand Talk: Uma solução digital para inclusão social

A Hand Talk é uma plataforma de tradução digital do português para LIBRAS, a Língua Brasileira de Sinais, comandada por um simpático intérprete virtual, o Hugo, personagem 3D que torna a utilização da solução interativa e de fácil compreensão. De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Brasil possui quase 10 milhões de pessoas com algum tipo de problema auditivo, entre eles, há uma parcela que não compreende corretamente o português e dependem exclusivamente da LIBRAS para se comunicar.

Diante desse cenário, a solução surge como uma ferramenta para auxiliar a comunicação entre surdos e ouvintes e trazer mais conhecimento para seus usuários, possibilitando uma troca continua de informação entre eles. “Pretendemos oferecer acessibilidade à comunidade surda e as pessoas que de alguma forma necessitam da LIBRAS para se comunicar. Além disso, um dos nossos objetivos é difundir ainda mais a Língua Brasileira de Sinais em nosso país”, comenta Ronaldo Tenório, CEO da Hand Talk.

Aplicativo Hand Talk:

O Hand Talk App é um tradutor mobile para smartphones e tablets, que converte, em tempo real, conteúdos em Português para LIBRAS, seja ele digitado, falado ou até fotografado. Através da opção de tradução de texto, o usuário pode escrever uma frase ou uma simples palavra e o Hugo se encarrega de interpretá-la. Com a opção de conversão de áudio, o aplicativo reconhece a voz e traduz em LIBRAS.

Além dessas opções, o app também consegue converter fotografias. Basta capturar uma foto, por exemplo, de uma frase curta na capa de um livro, e a mensagem é interpretada simultaneamente para a Língua Brasileira de Sinais. O aplicativo, que foi eleito pela ONU o melhor App social do mundo, está disponível para download gratuitamente na App Store (www.handtalk.me/app) e em breve também será lançado para dispositivos Android.

HT Plus

Para oferecer ainda mais acessibilidade aos surdos, a Hand Talk criou o HT Plus, soluções coorporativas de tradução em LIBRAS sob medida. Com esta solução, é possível inserir o tradutor em Totens em eventos ou empresas, como também obter vídeos personalizados com o Hugo interpretando na Língua Brasileira de Sinais. Para conhecer melhor este serviço, acesse www.handtalk.me/plus.

Premiações

Desde sua criação, a empresa vem conquistando destaque e recebendo prêmios no mercado nacional e internacional A solução foi eleita em 2012 a mais inovadora do Brasil na Rio Info, um dos maiores eventos de Tecnologia do país. Em 2013, concorrendo com cerca de 15.000 aplicativos de várias partes do planeta, o Hand Talk foi eleito o melhor app social do mundo, no WSA-mobile, evento organizado pela ONU – Organização das Nações Unidas – realizado em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes. “Já foi uma vitória participar desse evento. Sabemos de sua importância, afinal, trata-se do “Oscar dos Aplicativos”. Estamos muito felizes em saber que fomos considerados por todos os jurados os melhores do mundo. Isso só nos deixa com mais ânimo para trabalhar cada vez mais”, diz Carlos Wanderlan, CTO da Hand Talk.

Futuro:

Após o evento do WSA-mobile e o lançamento oficial do aplicativo Hand Talk, várias portas se abriram. Foram iniciadas negociações para sua expansão até mesmo para outros países, refletindo a preocupação mundial com a inclusão social e acessibilidade. “Queremos levar nossa ideia para todos os lugares do mundo. Esperamos contribuir para estreitar ainda mais a relação entre surdos e ouvintes”, comenta Thadeu Luz, COO – da Hand Talk.

 

 

31
Publicado por Diéfani Favareto Piovezan | 0 comentários

A Cidade de Marília, no Estado de São Paulo, realiza as cirurgias de implante coclear pelo SUS. Não há fila de espera e todos os pacientes avaliados e candidatos ao implante coclear podem se beneficiar desta tecnologia aguardando um curto espaço de tempo entre a primeira avaliação e a cirurgia. O contato deve ser feito com o setor de Otorrinolaringologia da Faculdade de Medicina de Marília, pelo telefone (14) 3402-1704.

 

lowres-cochlear-nucleus-5-implant

11
Publicado por Diéfani Favareto Piovezan | 0 comentários

 

Bom hoje eu vou falar de algo que gera brigas por ai, que é o isolamento de certos grupos de pessoas. Nesse caso irei me abster ao isolamento de surdos usuários de LIBRAS. Muitos surdos sinalizados se isolam criando o que eles mesmos chamam de “Cultura Surda”. Esses grupos são considerados radicais e não aceitam em seu meio surdos oralizados, implantados ou com aparelhos auditivos e é claro que muito menos ouvintes.

Esses grupos, chegam a fazer exigências mil ao governo, algumas extremamente esdrúxulas que chegam a me irritar. Querem que LIBRAS seja obrigatória para todos os surdos em fase de alfabetização – isso tiraria o direito de escolha dos pais e da criança – querem concursos publico e vestibulares 100% em LIBRAS e – pasme – chegaram a pedir pra que para surdos a LIBRAS substituisse até mesmo a forma escrita da Lingua Portuguesa. Esse pedido foi negado, pois o idioma oficia, do país é esse, mas agora me respondam, isso é, ou não  coisa de gente preguiçosa e xiita? Poxa, se você nasceu, cresceu e vive em um país, porque diabos você não vai aprender e ser fluente na forma escrita do idioma oficial? LIBRAS pode ter sido elevada ao patamar de Língua e perdido o status de linguagem, mas ainda assim, precisa de um idioma base pra sua  comunicação, e isso serve pra Lingua de Sinais de qualquer país.

Se você usa unica e exclusivamente LIBRAS, só poderá se comunicar com quem o sabe e isso te isola, te limita, te atrapalha. Eu respeito a liberdade de escolha dos pais e das crianças. Porque honestamente? Todo surdo de um jeito ou de outro tem que se relacionar com ouvintes e para crianças é complicado. Ser diferente é sempre um problema. A criança gordinha é zoada, a magricela tambem, a de óculos tem apelido de “4 olhos”, a menina que sobe em arvore é chamada de “macheira” e o menino que brinca de casinha é “boiola”, essas crianças crescem traumatizadas e se sentindo peixes fora d’água, porque outras crianças conseguem ser bem crueis quando querem.

E a criança surda? Ela também corre o risco de ser zoada, seja na escola inclusiva, por vizinhos, por outras crianças em qualquer local publico como um banco ou loja quando estiver com os pais. Se ela usa Língua de Sinais, com certeza vai ser alvo de olhares e comentários extras, se usar aparelhos, provavelmente também o será, mas cabe à familia e à criança, escolherem o que é mais confortavel.

Meus pais nunca me impuseram nem em qual escola eu deveria ir, me colocaram em uma particular, não gostei, deu o fim do ano fui pra outra, mudei mais de escola do que filhos de ciganos, mas nunca me impuseram ficar em um lugar onde eu não me sentia confortavel e respeitada (e digo isso porque sempre fui molecona e me zoavam por isso)

Bom, quando perguntados o motivo para a segregação em guetos, os integrantes desses grupos afirmam se isolarem porque preferem conviver com aqueles que como eles se aceitam e não tentam fugir do que são ou fingir algo que não são. Fico com uma dúvida constante dentro da minha cabeça que é “Se essas pessoas lutam tanto  por seus direitos para serem vistos como iguais e conhecem como  ninguém o preconceito porque fazem isso?”.

Do ponto de vista psicológico esses grupos se isolam não porque se aceitam, mas bem pelo contrário. Eles se isolam em comunidades criando uma “Cultura Surda” onde as pessoas têm os mesmos medos e não ficarão questionando os seus medos e escolhas. Todos defendem ferrenhamente que aquilo é bom e verdade absoluta pra todos os surdos do planeta. Chegam a fazer afirmações absurdas como “estão querendo impor implante coclear às criançs e acabar com LIBRAS” ou “surdos oralizados são suicidas em potencial.”

Certa vez comentei sobre esse assunto com pessoas formadas em psicologia e elas me disseram a mesma coisa “Pessoas que se isolam do mundo lá fora não se aceitam como são e usam isso como mecanismo de defesa, porque se conviverem com seus semelhantes darão a impressão de que realmente aceitam quem são e assim se veem livres da pressão e questionamento do mundo afora”.

Quanto aos surdos sinalizados não posso dizer por mim, mas na época um dos bacharéis em psicologia com quem conversei me mostrou uma revista sobre estudos psicológicos e tinha uma artigo que falava exatamente sobre esse assunto. O artigo dizia que havia sido feito um estudo com surdos sinalizados em várias escolas especiais nos Estados Unidos. Com o passar do tempo e conforme os alunos iam ganhando confiança nos terapeutas a maioria deles disseram que eles teem muita vontade de se oralizarem, aprenderem leitura labial, implantarem ou usarem aparelhos auditivos mas, que não o fazem porque sabem que isso não vai torna-los ouvintes ou menos surdos, e que eles tem medo de se tornarem aberrações entre os amigos sinalizados e aberrações no mundo dos ouvintes, passando a serem odiados por ambos.

Existe um mundo lá fora independente do isolamento ou não, e que cedo ou tarde eles terão que viver nesse mundo e precisarão aprender a lidar com os problemas que vierem. Muitas pessoas os questionarão mas, muitos os apoiarão. Surdos sinalizados devem entender que ouvintes, implantados ou oralizados não são diferente deles e os tem como semelhantes não como pessoas diferentes por usarem sinais. O unico problema e algo que se torna irritante é o levantamento da bandeira do orgulho surdo e tentativa de segregação em massa e IMPOSTA, quando brigamos, não é porque somos contra LIBRAS, somos a favor, 100% a favor, só que ela deve ser escolhida e não imposta e o mesmo vale pra oralização e implante coclear, devem ser escolhidos. Não sou contra nenhum método de comunicação, sou contra a segregação.

 

Beijos a todos 🙂

 

06
Publicado por Diéfani Favareto Piovezan | 0 comentários

O texto a seguir foi originalmente postado no Desculpe Não Ouvi (clica ai no l ink pra ser redirecionado). É um assunto que vem sendo discutido há dias em um grupo do facebook. Que eu particularmente cansei de postar, só fico lá lendo. Segue o texto.

Aqui, querendo debater…

Pessoalmente, eu não tenho nada contra o povo surdo se vender como cultura, porque existe cultura skatista, cultura emo, cultura geek (não sei se no sentido antropológico do termo, mas no sentido popular do emprego ao termo CULTURA), mas enfim… E, alias, se também quiserem se comparar aos índios, negros, aborígenes ou qualquer outro povo do universo,  tranquilo.

Levando em conta que o Brasil tem 270 línguas (li alguém alegar isso, mas não confirmo, porque não estou nem um pouco afim de vagar em busca de evidências sobre o tema), embora só tenha UM idioma oficial, o português (inclusive é um dos pontos fortes do Brasil, visto sobre o ponto de vista empresarial) que faz as empresas multinacionais se animarem de vir pra cá, uma vez que apenas um idioma terá que ser ensinado aos funcionários e apenas um idioma é escrito na maioria dos produtos (salvo aqueles que seguem a regra do Mercosul e incluem o espanhol). Se os nativos das outras 269 linguas não tem direito a privilegiá-la ao português, pode até ser visto como algo meio desrespeitoso os surdos terem, mas ainda assim, tô nem ai. De repente, não batalharam pra ter a emancipação do seu idioma e, quem sabe futuramente, sigam o exemplo da Cultura Surda e o Brasil se torne como a Índia, com 2 idiomas oficiais administrativos, 23 idiomas  federais oficiais, 200 Línguas reconhecidas e mais de 2000 dialetos e o povo se comunique mesmo em hindi e num inglês macarrônico que serviu para dominarem o mercado de telemarketing dos EUA (sem ofensas, porque acho isso sensacional!).

O que pega é aceitarem essa apologia de ódio aos ouvintes e a quem compactua com a oralização. Sairem pregando que a oralização é uma tortura a que crianças são submetidas. Saírem ridicularizando a voz dos surdos oralizados. Saírem pregando contra o Implante Coclear e quererem barrar o teste da orelhinha (se alguém duvida, eu posto link de vídeos falando mal desse exame!). Saírem dizendo que todos os deficientes auditivos que não se submetem à supremacia da Cultura Surda são infelizes e não sabem. Ao ponto que são chamados de suicidas em potencial e precisam ser salvos de si mesmos. Precisam reconhecer que só existe uma verdade absoluta: só a cultura surda funciona como estilo de vida. Que só existe um caminho para a felicidade suprema. Que quem não quer aprender LIBRAS está sendo preconceituoso e blablablabla sem fim, exigindo-se aqui um respeito em via de mão única. Acho absurdo que seja permitido que, para se autoafirmar e se firmar como modo de vida aceitável, queriam exterminar quem pensa diferentes. Querer se vender como cultura, ok. Querer provar pra Deus e o mundo que são felizes assim, perfeitamente. Querem alterar a constituição pra LIBRAS virar idioma oficial junto com a língua portuguesa, tô nem aí, não opino. Mas, acho inaceitável que seja permitido que preguem o preconceito, a intolerância e o ódio com a calma que fazem. Atacarem blogs por falta de interpretação correta de texto. Mandarem email xingando mães que optam pela oralização e dizerem que é melhor pra criança surda ser morta do que oralizada! Isso sim, deveria ser passível de processo na justiça!

Pior ainda são ouvintes que compactuam com essa mentalidade e ficarem atormentando os surdos oralizados, ridicularizando a voz deles (li aqui alguém escrever que a voz dos oralizados não é, pasmem, HUMANA!), dizer que foram condicionados a pensar como pensam, simplesmente porque se acham no direito de saber sobre o outro mais que ele mesmo.
Num mundo que não existe apenas uma religião, uma filosofia de vida, uma única regra de dieta alimentar, um único time de futebol, vão exigir que todo e qualquer deficiente auditivo se comporte do jeito que dita e determina a cultura surda?

Respeito é via de mão dupla. Defendam o lado de vocês, MAS PAREM DE ATACAR QUEM NÃO QUER VIVER ISSO! PAREM DE EXIGIR QUE ESSE SEJA O ÚNICO CAMINHO ACEITÁVEL! PAREM DE IMPOR QUE SURDOS ORALIZADOS TEM QUE ENXERGAR QUE SÃO INFELIZES!
Uma coisa é você achar que está no caminho certo. Outra é achar que é o único caminho! Até segunda ordem, o Brasil é um país onde a liberdade de escolha é respeitada, portanto, não lhes cabe o direito de cercear essa liberdade.

EU E MEU BLOG DIZEMOS SIM A ORALIZAÇÃO! SIM AO PORTUGUÊS COMO PRIMEIRO IDIOMA! SIM AO USO DA PRÓTESE AUDITIVA, DO IMPLANTE COCLEAR, DO IMPLANTE BAHA e qualquer outra tecnologia que nos permita ouvir artificialmente! SIM AO TESTE DA ORELHINHA! E, SOBRE TUDO, SIM A LIBERDADE DE PODER ESCOLHER ESSA CORRENTE DE PENSAMENTO!

Não interessa se somos minoria, se somos apenas 20% da população surda (a base dessa porcentagem estatística? Comentários dos próprios defensores da comunidade surda), ainda temos o direito de existir. Deficientes auditivos representam apenas 3% da população brasileira e estão exigindo emancipação como cultura e do idioma, não é mesmo? Então, que aceitem a existência desses 20% oralizado tal qual querem que 97% da população ouvinte os aceitem.

Quem quiser pensar e agir diferente, tem o mesmo direito que eu. Mas, em momento algum, tem direito de me atacar por pensar como penso!

beijinhos sonoros,

Lak

p.s. E aos ouvintes que compactuam com a cultura surda e se acham no direito de ridicularizar a voz do surdo oralizado, fiquem ciente que não importa que a nossa voz soe como o grasnado de uma avestruz ou um zunido de besouro, se um deficiente auditivo consegue se fazer entender perfeitamente com a voz oral, ele tem todo o direito de usá-la! E vocês não tem o direito de ridicularizá-los por isso, tentando usar da vergonha para justificar que deveriam abraçar tão e somente a língua de sinais! Vocês podem ter vozes bonitas e sonoras, mas as palavras amargas que proferem torna vocês os verdadeiros monstros!

 

Procura ai
Que dia é hoje?
October 2017
M T W T F S S
« Jul    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  
Contador de Visitas

Licença Creative Commons
O trabalho Igualmente Diferentes de Diéfani Favareto Piovezan foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição - NãoComercial - SemDerivados 3.0 Brasil.
Todos os direitos reservados - Design e Programação Igualmente Diferentes