07
Publicado por Diéfani Favareto Piovezan | 0 comentários

Queridos leitores, pois é eu sumi. Confesso que foi um pouco de preguiça, mas a faculdade tomou conta da minha vida no semestre passado, foi uma correria do caramba, muitos trabalhos pra serem entregues (e trabalhos dificeis) e acabei largando o blog jogado pras traças mas estou de volta e com várias coisas pra contar.

maddison

“Surpresa!!! Aposto que acharam que não me veriam mais” (tradução não literal e sem o palavrão rs)

No ínicio do ano passado, fiz processo seletivo pra me tornar membro de uma ONG e depois fui promovida ao cargo de Diretora de Recursos Humanos e Supervisora de TI, sendo assim, minhas responsabilidades aumentaram, controle de membros, processos seletivos, procurar novos membros, agendar reuniões, agendar salas para eventos, organizar eventos com o resto do pessoal, enfim, uma correria, mas uma correria extremamente prazerosa, pois eu detesto ficar parada e todos sabem disso. Gosto de me sentir util.

Quem me acompanha pelo facebook, sabe que eu há muito estava procurando um trabalho, fosse efetivo ou estágio, eu queria encontrar algo não pelo dinheiro (claro que é importante, pois tenho contas pra pagar), mas porque por mais que eu estude na faculdade e tenha uma excelente base educativa, tudo que vemos no mercado de trabalho foge completamente da nossa zona e conforto acadêmica. Minha ânsia era por experiência.

Em outubro eu havia sido contatada pelo dono de uma empresa, sobre uma vaga de estágio para a qual eu havia enviado curriculo e depois de conversarmos um pouco por e-mail, ele agendou uma entrevista no começo de novembro. Algumas semanas já haviam passado e eu achei que já tinham contratado alguém, mas pouco antes de dezembro iniciar, recebi um e-mail dele, dizendo que gostariam que eu ficasse com a vaga e que começasse no dia primeiro. Pois é pessoal, fiquei feliz pra caramba.

A felicidade em encontrar um trabalho, foi além do fato de agora eu poder ser mais independente financeiramente e adquirir experiência no mercado de trabalho, a felicidade MAIOR foi porque para o meu chefe, a minha deficiência auditiva pouco importou, não fez diferença alguma, eu não fui contratada para preencher cotas, fui contratada pelo meu potencial.

A gente sabe que ser pessoa com deficiência no Brasil não é fácil, encontrar um emprego é tarefa dificil, mesmo quando é por cotas, pois nas vagas para cotistas a preferência é por quem tem deficiência física. Cegos e surdos só sonham com a vaga, mesmo que ela não necessite de usar telefone e que as próteses auditivas, leitura labial ou LIBRAS bastem para a comunicação. Poder ter a oportunidade de trabalhar em uma boa empresa, com colegas e chefes bacanas e sem ser por cotas é dificil. E meu chefe ainda foi super atencioso perguntando se precisava falar mais alto, mais baixo, como que ficava melhor pra ele conversar comigo. Agora trabalho com desenvolvimento e manutenção de software e sistemas web.

Depois que comecei a trabalhar (faz 1 mês e 6 dias rs), o pessoal da ONG se reuniu e resolvemos abrir um instituto dentro da ONG, esse instituto seria o dono dos projetos, ou seja, chegará o ponto em que os projetos da ONG não precisarão mais da ONG e o instituto fará com que seja dada a continuidade nos projetos. Claro, óbvio que topei fazer parte do instituto como co-fundadora e ter o mesmo cargo nele, que tenho na ONG.

O ano acabou de começar, eu sei, mas sinto que 2015 será um ano excelente. Tenho os cargos na ONG e no instituto, a faculdade, meu trabalho, minha irmã (na verdade prima, mas fomos criadas juntas e somos filhas únicas, então nos vemos como irmãs) está grávida e eu serei “titia” e acho que está tudo encaminhado, só fico com coração apertado porque não pude ir ver minha família e amigos nos Estados Unidos essas férias, mas ainda terei tempo para vê-los.

Quanto ao IC, vai tudo muito bem, obrigada rs. Testarei o sistema Roger essa semana para ver se cumpre o que promete (sou crítica, vejamos rs). E tem dia que sinto prazer enorme em ter a possibilidade de me desligar do mundo e poder descansar de verdade. Ser surda tem suas vantagens, tem quem acha que não, mas tem. No ano novo falei ao telefone, com direito a gritaria e fogos de artificio no fundo e claro que tive que pedir para repetirem, até quem tem audição perfeita pede, mas o importante é poder transmitir o carinho aos que amo em um dia especial.

Por hoje fico por aqui, depois que testar o Roger venho contar pra vocês. Feliz 2015 para todos vocês, que seja um ano cheio de dádivas para todos.

 

Beijos

26
Publicado por Diéfani Favareto Piovezan | 0 comentários

PROGRAMA QUALIFICAR PARA INCLUIR
Novas Oportunidades para profissionais com deficiência.

PQI

O Programa Qualificar para Incluir foi criado no CPqD em 2008 e desde então vem capacitando pessoas com deficiência em Tecnologia da Informação e Comunicação para o mercado de trabalho.

Sem custos para os interessados, o programa tem foco nas áreas de tecnologia e trabalha o desenvolvimento humano, oferece como diferencial a oportunidade para os alunos de aumentarem as chances de sucesso no mercado de trabalho, cada vez mais exigente nos dias de hoje.

Não fique fora desta você também , e para se inscrever acesse o site:http://programapqi.jimdo.com


Mais informações de como se inscrever no programa podem ser obtidas através do e-mail:alinenunes.sqi@gmail.com e do telefone: (19) 3705-4225 ou 3705-6585.

Faça sua inscrição, e ao ser convidado para entrevista tenha em mãos:

1. Laudo Médico atestando a deficiência

2. Apresentar os exames que comprovem a deficiência:

– Auditiva

– Visual (avaliação de acuidade visual e campimetria – quando for o caso de redução do campo visual).

 
Link para inscrição :

http://programapqi.jimdo.com/inscri%C3%A7%C3%B5es/

LINK COM VÍDEOS QUE EXPLICAM MAIS SOBRE O PROGRAMA :

http://www.youtube.com/watch?v=oowwBq5jJDA

 
 
01
Publicado por Diéfani Favareto Piovezan | 0 comentários

 keller3

Helen Adams Keller (Tuscumbia27 de junho de 1880 —Westport1 de junho de 1968) foi uma escritora, conferencista e ativista social estadunidense. Tornou-se uma célebre escritora, filosofa e conferencista, uma personagem famosa pelo extenso trabalho que desenvolveu em favor das pessoas com deficiência.

Biografia

Filha do capitão Arthur H. Keller e de Kate Adams Keller, que eram de famílias respeitadas e tradicionais na região.Nascida no Alabama, foi dos maiores exemplos de que as deficiências sensoriais não são obstáculos para se obter sucesso. Helen Keller foi uma extraordinária mulher, triplamente deficiente, que ficou cega e surda e consequentemente muda desde tenra idade, devido a uma doença diagnosticada na época como febre cerebral (hoje acredita-se que tenha sido escarlatina). Através do contato que teve com Martha Washington a filha de seis anos da cozinheira, ela desenvolveu uma linguagem de sinais própria, qual a qual se comunicava com a família. Helen dizia que Martha fazia tudo que ela pedisse e raramente dizia não, e que isso era extremamente prazeroso para ela que tinha gênio forte.

Os pais de Helen após ouvirem falar do sucesso na educação de Laura Bridgman (cega e surda), a levaram até o Dr. J. Julian Chisolm,  especialista em olhos, nariz, ouvidos e garganta e nada podendo fazer, o médico lhes encaminhou para Alexander Graham Bell que na época trabalhava com crianças surdas. Bell aconselhou que eles entrassem em contato com o Instituto Perkins Para Cegos, que era a mesma escola aonde Bridgman foi educada. Michael Anaganos, diretor do instituto, pediu a uma antiga estudante, Anne Sullivan que contava com então 20 anos e era deficiente visual (ainda enxergava um pouco) para que fosse tutora de Helen Keller. Era então o começo de uma relação que durou 49 anos.

080306_Helen_Keller

Helen Keller e Anne Sullivan.

 Anne chegou na casa dos Keller em março de 1887 e imediatamente começou a ensinar Helen. A primeira palavra sinalizada e soletrada em sua mão foi doll ( boneca) para mostrar a boneca que ela havia levado de presente para Helen. O grande avanço na comunicação de Helen Keller foi em Abril daquele mesmo ano, quando ela notou que aqueles movimentos feitos por sua professora na palma de sua mão enquanto deixava escorrer água fria em sua outra mão, simbolizavam a ideia de água.  Ela então quase exauriu Anne Sullivan correndo e pedindo o nome de todos os objetos familiares de seu mundo. A história do encontro entre as duas é contada na peça The Miracle Worker, de William Gibson, que virou o filme O Milagre de Anne Sullivan, em 1962, dirigido por Arthur Penn (em Portugal, O Milagre de Helen Keller).

 themiracleworker

Cena do filme The Miracle Worker quando Helen percebeu que aqueles sinais

simbolizavam coisas e palavras.

Sullivan ensinou a Helen o metodo de comunicação chamado de Tadoma, em que a pessoa toca os labios e garganta de outras pessoas enquanto eles conversam, combinado com soletrar ( em alfabeto de linguagem dos sinais)  na palma da mão da criança as palavras. Mais tarde, Helen aprendeu Braile e com ele aprendeu não somente a ler em Ingles, mas também em Alemão, Latim, Grego e Francês.

Em maio de 1888, foi estudar no Instituto Perkins. Em 1894, ela e Anne se mudaram para Nova York para que ela estudasse no Wright-Humason e Horace Mann, ambas escolas para surdos. Em 1890 após saber sobe Ragnhild Kaata uma surda-cega que aprendera a falar, Keller também quis aprender. Na primavera de 1890 teve aulas com Mrs Fuller que através das vibrações da garganta e movimentos da boca e língua, ensinou Helen a falar. Helen ficou contente que com o tempo todos passaram a entende-la e principalmente de como era mais fácil falar do que soletrar as palavras em linguagem dos sinais. Em 1896 retornaram para Massachusetts e Keller ingressou em Cambridge Para Jovens Senhoritas e permaneceu por lá até ser admitida em Radcliffe College em 1900. Seu admirador, Mark Twain a apresentou para Henry Huttleston Rogers, um magnata do óleo, que com sua esposa, pagou pela educação de Helen. Em 1904 graduou-se bacharel em filosofia pelo Radcliffe College, tornando-se aos 24 anos se tornou a primeira mulher surda- cega a ter um diploma de bacharel em artes, a instituição a agraciou com o prêmio Destaque ao Aluno, no aniversário de cinquenta anos de sua formatura. Falava os idiomas francês, latim e alemão.

 formatura

Foto de sua graduação

Ao longo da vida foi agraciada com títulos e diplomas honorários de diversas instituições, como a universidade deHarvard e universidades da Escócia, Alemanha, Índia eÁfrica do Sul. Em 1952 foi nomeada Cavaleiro da Legião de Honra da França. Foi condecorada com a Ordem do Cruzeiro do Sul, no Brasil, com a do Tesouro Sagrado, no Japão, dentre outras. Foi membro honorário de várias sociedades científicas e organizações filantrópicas nos cinco continentes.

Anne continuou como sua companheira, se casou em 1905 com John Macy e sua saúde começou a definhar em 1914. Polly Thompson foi contratada para cuidar da casa. Era uma jovem mulher Escocesa e não tinha experiencia com cegos ou surdos. Ela fez grande progresso, passando mais tarde ao cargo de secretaria e consequentemente se tornou companheira constante de Helen. Depois que Anne morreu em 1936, Keller e Thompson se mudaram para Connecticut. Elas viajaram ao redor do mundo levantando fundos para dos cegos. Thompson teve um enfarte em 1957, mas nunca se recuperou completamente vindo a falecer em 1960. Winnie Corbally, que foi a enfermeira contratada para cuidar de Thompson, acabou ficando depois de sua morte e se tornou companheira de Helen até o fim de sua vida.

 kellerthompson

Keller e Polly Thompson.

Em 1961 Keller teve vários enfartes, e passou o resto de seus anos em sua casa. Em 14 de Setembro de 1964, o presidente Lyndon B. Johson a agraciou com a Medalha Pesidencial da Liberdade, uma das duas maiores honras para um cidadão dos Estados Unidos. Em 1965 ela foi eleita ao Women’s Hall of Fame ( Corredor da Fama Feminino) na Feira Mundial de Nova York. Ela morreu enquanto dormia em 1 de Junho de 1968 em sua casa. Foi feito uma homenagem a ela na Catedral Nacional em Washington D.C e suas cinzas foram colocadas ao lado de suas constantes companheiras Anne Sullivan e Polly Thompson.

 

 Beijos a todos 🙂

 

Ps: Em breve mais pessoas surdas famosas.

 

Procura ai
Que dia é hoje?
October 2017
M T W T F S S
« Jul    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  
Contador de Visitas

Licença Creative Commons
O trabalho Igualmente Diferentes de Diéfani Favareto Piovezan foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição - NãoComercial - SemDerivados 3.0 Brasil.
Todos os direitos reservados - Design e Programação Igualmente Diferentes